13 maio 2021

EFICÁCIA COMPROVADA: Vacinação contra a gripe evita mortes e ajuda no combate à Covid-19

 

Começou nesta terça-feira (11) a segunda etapa da campanha nacional de vacinação contra a gripe, voltada aos idosos com mais de 60 anos e professores. Nesta fase, que ocorre até 8 de junho, a expectativa é vacinar 33 milhões de pessoas.

Na primeira etapa, que começou em 12 de abril, voltada para crianças de seis meses a seis anos, povos indígenas, trabalhadores da área da saúde, gestantes e mulheres puérperas (que estão no período de até 45 dias após o parto), a adesão foi abaixo do esperado. Ao todo, foram aplicadas 6,9 milhões das 27,3 milhões de doses distribuídas, um percentual de 25% de adesão, segundo o Ministério da Saúde.

Dividida em três fases, a campanha nacional pretende vacinar 79,7 milhões de brasileiros em todos os estados até o mês de julho.

A vacinação, que acontece pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI) desde 1999 e com a inserção de novos grupos progressivamente desde 2011, visa combater casos graves de gripe. Neste ano, com a pandemia de Covid-19, sua importância foi reforçada, porque alguns de seus sintomas, como tosse, febre e dor no corpo, podem ser confundidos com os dos novo coronavírus.

A gripe e a Covid-19 são infecções respiratórias causadas por vírus transmitidos por contato respiratório e têm quadros muito parecidos no início, explica a Juarez Cunha, presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm). “Por esse motivo, tudo o que pudermos fazer para diminuir a incidência dessa doença, incluindo vacinas, ajuda a desafogar a rede de saúde já bastante comprometida com a pandemia”.

A vacina contra a gripe, que visa imunizar contra o vírus Influenza, é trivalente, ou seja, protege contra três cepas: o vírus Influenza A (H1N1), que acomete adultos entre 40 e 60 anos; a cepa A (H3N2), com maior impacto em idosos; e as cepas B, que atingem mais crianças, adolescentes e adultos jovens. Todas as cepas podem causar infecções graves e mortes em pessoas de qualquer faixa etária, afirma o Ministério da Saúde.

As clínicas particulares já estão comercializando a vacina desde março, pois ela está disponível no PNI somente para os grupos prioritários. Mas a adesão à vacinação contra influenza também caiu na rede privada, segundo Geraldo Barbosa, presidente da Associação Brasileira das Clínicas de Vacinas (ABCVAC). Ele diz que houve uma queda de até 40% comparada ao mesmo período do ano passado.

O foco do governo federal no combate à pandemia de Covid-19 e uma “falsa sensação de segurança” das pessoas que permanecem mais tempo em casa podem ser os responsáveis por essa queda, na opinião do presidente da ABCVAC.

Entenda mais sobre a importância da vacinação contra a gripe:

Como ocorre a transmissão da gripe?

A gripe é uma doença sazonal que, especialmente no Sul e no Sudeste do país, aparece com mais frequência com a queda de temperatura entre os meses de abril e julho. Além do clima frio, o ar fica mais seco, o que facilita a disseminação de doenças respiratórias.

A transmissão do vírus Influenza ocorre principalmente de pessoa para pessoa, por meio de gotículas respiratórias produzidas por tosse, espirros ou fala de uma pessoa infectada. Ela pode ocorrer também através do contato direto ou indireto com secreções respiratórias, ao tocar superfícies contaminadas e, em seguida, tocar olhos, nariz ou boca.

A chance de transmissão aumenta em ambiente domiciliar, creches, escolas e/ou em ambientes fechados ou semifechados, dependendo não apenas da infectividade das cepas, mas também do número de pessoas e da intensidade do contato entre elas.

A doença tem início, em geral, com febre alta, seguida de dor muscular, de garganta, de cabeça, coriza e tosse. A febre é o sintoma mais importante e dura em torno de três dias. Os sintomas respiratórios tornam-se mais evidentes com a progressão da doença e se mantêm, em geral, de três a cinco dias após o desaparecimento da febre.

Alguns casos apresentam complicações, como pneumonia, necessitando de internação hospitalar, quadro que também pode ser desenvolvido com a Covid-19, além de outras viroses respiratórias.

Por que é importante tomar a vacina da gripe?

A Covid-19 e a gripe são doenças respiratórias transmitidas por contato e que inicialmente podem ter quadros muito parecidos, sobretudo por terem sintomas como tosse, dores no corpo e febre.

O infectologista Celso Granato, diretor científico do grupo Fleury, reforça que a confusão em relação aos sintomas pode ser minimizada com a vacinação contra o Influenza. Como ela diminui as chances de contrair a gripe, se uma pessoa vacina chegar com sintomas a um pronto-socorro e relatar que já foi vacinada contra a gripe, deverá ter seu atendimento focado na Covid-19.

“Quando a pessoa não sabe se pode estar com gripe ou Covid-19, ela é obrigada a permanecer mais tempo no hospital, onde fará mais exames, aumentando seu risco de exposição ao coronavírus”, explica Granato.

Deixar de tomar a vacina da gripe é ainda mais prejudicial para idosos, fumantes, pessoas com comorbidades, como doenças cardíacas, renais ou diabetes, e imunossuprimidas, explica o infectologista. “Esses grupos têm mais chance de evoluir para pneumonia bacteriana ou viral, que podem reverter para sepse e causar a morte”, afirma.

Tomar primeiro a vacina de Covid-19 ou da gripe?

Diante da gravidade da Covid-19 e da ausência de estudos sobre a coadministração das vacinas contra a gripe e a Covid-19, o Ministério da Saúde recomenda que se dê prioridade à vacina contra o novo coronavírus.

“Pessoas que fazem parte do grupo prioritário da vacinação contra a influenza e que ainda não foram vacinadas contra a Covid-19 devem priorizar as doses contra o novo coronavírus e agendar a vacina contra a Influenza, respeitando um intervalo mínimo de 14 dias entre elas”, informa a nota do Ministério da Saúde

Em nota enviada à Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), entretanto, o Ministério da Saúde ressalta que a contraindicação não é absoluta. Em situações emergenciais, a exemplo da administração de soros antiofídicos ou vacina antirrábica, o intervalo mínimo preconizado (14 dias antes e depois) pode ser desconsiderado.

Posso tomar a vacina da gripe fora do prazo da campanha?

De acordo com o presidente da SBIm, a vacina que protege contra a gripe pode ser tomada a qualquer momento, desde que seja respeitado o intervalo de 14 dias em relação às doses da vacina contra a Covid-19. 

Ele afirma que se o imunizante contra o Influenza for aplicado depois da primeira dose da vacina contra a Covid-19, é preciso esperar mais 14 dias para receber a segunda dose da vacina contra o novo coronavírus.

“Se a vacina usada for a Coronavac, para a qual o intervalo costuma ser de três semanas entre as doses, não haverá tempo para receber a vacina da gripe entre a primeira e a segunda dose. Neste caso é preciso esperar a conclusão do esquema de dose da vacina Coronavac”, explica o presidente SBIm.

0 comentários:

Postar um comentário

Translate