25 janeiro 2021

Pesquisa Datafolha: 46% dizem que Doria faz mais que Bolsonaro contra covid; 28% preferem presidente

Pesquisa realizada pelo Datafolha e divulgada neste domingo (24.jan.2021) mostra que 46% dos brasileiros consideram que João Doria (PSDB-SP) faz mais contra a pandemia que o presidente Jair Bolsonaro. Outros 28% considera que o presidente da República foi mais atuante no combate ao novo coronavírus. Os dados são de levantamento realizado em 20 e 21 de janeiro. O Datafolha ouviu, por telefone, 2.030 pessoas. A margem de erro é de 2 pontos para mais ou menos.

Já 13% não souberam dizem qual dos políticos rivais mais se empenhou contra o coronavírus, enquanto outros 11% disseram que nenhum dos dois fez e 2% afirmaram que ambos combateram o coronavírus.

A vitória política de Doria na corrida pela vacina pode ter influenciado no resultado da pesquisa. O tucano fez com que seu Estado fosse o 1º a vacinar alguém contra a covid. Doria é um dos maiores críticos do presidente desde o início da pandemia.

A pesquisa aponta que, nos locais do Brasil onde há “muito medo” do coronavírus, 57% dizem que Doria está atuando mais no combate ao vírus. Já nos locais onde a maioria da população diz não temer a covid-19, Bolsonaro foi bem avaliado em 46% por sua atuação frente à pandemia.

Os entrevistados que afirmaram viver uma vida normal, mesmo durante a pandemia (46%), responderam que Bolsonaro está à frente de Doria. Já aqueles mais cautelosos quanto aos cuidados higiênicos (45%) são mais favoráveis ao tucano que ao presidente.

Entre os mais ricos do país, ou seja, aqueles que recebem mais de 10 salários mínimos, 46% avaliam que Doria vence Bolsonaro (37%) no combate à pandemia.

A empresa de pesquisas também perguntou se o presidente era o responsável pelas mortes causadas pelo coronavírus. Dos entrevistados, 47% não consideram Bolsonaro culpado pelas vítimas, uma redução frente ao último resultado, divulgado em dezembro de 2020, quando o percentual era de 52%.

Aqueles que acham que Bolsonaro é um dos culpados, mas não necessariamente o principal, somam 39%. Na pesquisa de dezembro de 2020, eram 38%. O percentual daqueles que consideram o presidente como único responsável pelas mortes foi de 11%, uma variação na margem de erro em relação ao último resultado, que foi de 8%.

A atuação de Jair Bolsonaro frente à crise de saúde é bem avaliada entre dois grupos: os que tem de 45 a 49 anos e os mais ricos. Em ambos os casos, 33% avaliam como ótimo e bom. Já quem tem curso superior (57%) é quem mais diz que a gestão da crise de saúde de Bolsonaro é ruim ou péssima.

Eximem Bolsonaro de qualquer culpa pelas mortes causadas durante a pandemia 75% dos que não temem o vírus.

​A atuação de governadores também foi incluída nesta pesquisa. O Dafatolha indica que 42% da população aprovam o trabalho realizado pelos governos estaduais. Já 30% consideram a atuação como ruim/péssima e 26% como regular.

A atuação do Ministério da Saúde, comandado pelo general Eduardo Pazuello, também foi colocada à prova. O levantamento revela que 35% aprovam e 30% reprovam o que tem feito o órgão no combate à pandemia. O número de pessoas que aprovam as medidas da Saúde já alcançou 76% durante a gestão de Luiz Henrique Mandetta, em abril de 2020.

PODER360

 

0 comentários:

Postar um comentário

Translate