18 setembro 2020

UERN: Consuni decide pelo fim das 'listras tríplices' ampliando democracia interna na instituição. Decisão foi tomada após muita pressão da comunidade acadêmica

O Conselho Superior da UERN (Consuni), reunido na manhã de hoje (17), votou e aprovou o fim das listas tríplice na escolha de Diretor de Faculdade e Chefe de Departamento. A decisão veio após muita pressão da comunidade acadêmica que exigia a ampliação da democracia interna na universidade. Também foi aprovada a participação dos técnicos e discentes nos Consads dos Campi.

O fim das listas tríplice na UERN não é um assunto novo. Desde a “Estatuinte”, ainda no início dos anos 2000, a comunidade acadêmica da universidade já havia se posicionado pelo fim deste mecanismo que inibe a democracia e participação real nas escolhas da universidade. Em 2019, durante a aprovação do novo estatuto da UERN, os conselheiros tiveram a oportunidade de por um fim às listas, o que não aconteceu.

Em julho deste ano o Consuni recebeu proposta para ampliar a Lista Tríplice, que só existia para Reitoria e Diretores de Faculdades, também para as chefias de departamento. A ADUERN, representada pela sua vice-presidenta Kelânia Mesquita, pediu vistas, impedindo que o mesmo fosse votado de imediato. Na oportunidade, Kelânia destacou que não havia a necessidade de ampliação da lista tríplice e destacou os riscos que a decisão representava para a democracia interna da UERN

Na oportunidade, a ADUERN socializou o parecer de Kelânia e convocou toda a categoria docente a tomar ciência e debater a temática, mesmo assim o projeto foi aprovado pela maioria dos conselheiros do Consuni.

VEJA AQUI O PARECER DE KELÂNIA À ÉPOCA.

A decisão tomada pelo CONSUNI deixou a comunidade acadêmica da UERN profundamente insatisfeita e diante da gravidade dos fatos a ADUERN convocou a categoria a debater em assembleia as implicações da ampliação da lista tríplice.  A categoria, em sua maioria, repudiou as mudanças aprovadas no conselho e decidiu que a ADUERN deveria encabeçar uma luta imediata pelo fim de todas as listas tríplice na universidade. A partir daí, o sindicato construiu uma minuta de lei que foi entregue no dia XXXX ao Governo do Estado reivindicando o fim das listas na UERN e nomeação dos nomes mais votados em processo de votação (veja mais sobre isso aqui).  

CONFIRA A MINUTA AQUI

A presidenta da ADUERN, Patrícia Barra, destacou a importância da decisão Consuni, em especial neste momento em que avança a intervenção ideológica do Governo Federal nas universidades públicas.

“Estamos vivendo um momento crítico, em especial no RN. No IFRN o candidato eleito não pode assumir e foi substituído por um interventor que sequer participou das eleições internas. Na Ufersa, a candidata menos votada da lista tríplice foi nomeada pelo Governo. Não podíamos permitir que coisas dessa natureza acontecessem na UERN, pois isso fragiliza as instituições, seus servidores e seu poder transformador. A autonomia universitária é fruto da luta coletiva e  só através dela poderá ser mantida e protegida” destacou Patrícia.

 

 


0 comentários:

Postar um comentário

Translate