13 abril 2020

'CASTIGO OU FATALIDADE'? Médica que defendeu fim de isolamento morre de covid-19 no Ceará


PROFISSIONAL MÉDICO DEVE SEGUIR A CIÊNCIA;  JAMAIS O 'ACHISMO'

A médica Lúcia de Fátima Dantas Abrantes, de 65 anos, morreu infectada pelo coronavírus no município de Iguatu (CE), cidade localizada a 370 quilômetros ao sul de Fortaleza. Funcionária de três hospitais da rede pública, ela passou mais de dez dias internada em uma UTI.

Em março, por duas vezes Lúcia minimizou nas redes sociais os riscos da covid-19. “Existem vírus muito mais potente e que matam muito mais (h1n1 por exemplo) e ninguém está nem aí para eles. Por que será??????”, escreveu Lúcia, que também referendou críticas à cobertura da imprensa a respeito da pandemia. No dia 27, ela compartilhou uma convocação para uma carreata pela reabertura do comércio em Recife, organizada por empresários.

Lúcia recebeu várias homenagens de colegas, que enalteceram sua dedicação profissional. De acordo com a secretaria de Saúde de Iguatu, ela começou a apresentar sinais da doença depois que voltou de
 
Segundo boletim divulgado ontem pelo Ministério da Saúde, o Ceará é o terceiro estado com mais casos de coronavírus, atrás apenas de São Paulo e Rio de Janeiro. Ontem o estado registrava 58 mortes relacionadas ao coronavírus.

Apesar da crítica ao isolamento, a médica compartilhava nas redes sociais mensagens de defesa do Sistema Único de Saúde (SUS) e de apoio a profissionais de saúde envolvidos no atendimento a pacientes com covid-19. Lúcia trabalhava na Unidade Básica de Saúde (UBS) de Sítio Gadelha, na zona rural de Iguatu, e também fazia plantões no Hospital Municipal de Quixelô e no Hospital Regional de Iguatu.

No último domingo morreu em Goiânia, vítima de covid-19, uma técnica em enfermagem que participou de campanha que defendia que as pessoas ficassem em casa como medida preventiva.

0 comentários:

Postar um comentário

Translate