04 fevereiro 2020

UERN: Greve Geral reúne centenas de servidores em luta contra a reforma

Manifestação aconteceu na manhã de ontem  (03)na Assembleia Legislativa
UERN participa de Greve Geral do RN

Centenas de Servidores de servidores públicos do Rio Grande do Norte participaram de uma grande manifestação na manhã de hoje (03) em frente à Assembleia Legislativa do RN (Alern). As categorias reivindicam o não do envio do projeto de reforma da Previdência, proposto pelo Governo Estadual, aos deputados e deputadas.

Durante a manifestação de hoje, surpreendeu as categorias o gigantesco aparato policial disposto na AL, que estava cercada por grades e contava com a presença de muitos oficiais militares. A greve geral do funcionalismo estadual continua amanhã com mais um dia de paralisação e manifestações contra a reforma da Previdência estadual.



A Aduern mobilizou professores e professores de todos os campi da universidade e fortaleceu a manifestação. Em diálogo com a categoria o sindicato definiu que a prioridade será realizar manifestações em todos os municípios onde a governadora Fátima Bezerra tenha agenda.

Na noite de ontem Fátima comunicou aos deputados e servidores públicos que não compareceria à Assembleia Legislativa e também cancelou um compromisso amanhã (04) em Assú , quando seria recepcionada pela base da ADUERN e de outros sindicatos, para tratar da reforma da previdência. Na avaliação da direção do sindicato, o recuo da Governadora já é um indicativo de que a pressão das categorias pode reverter a perversa contrarreforma.

Para a ADUERN e as demais que compõem o Fórum dos Servidores do RN, a reforma da Previdência apresentada por Fátima trará gravíssimas consequências para o funcionalismo público estadual, uma vez que aumenta significativamente a alíquota previdenciária dos Servidores e inclui servidores inativos no cálculo de forma bem mais severa. VEJA MAIS SOBRE ISSO AQUI

Outro fator apontado como negativo na reforma de Fátima é o contexto em que ela está sendo aplicada: hoje além da notória falta de reposição salarial, que vem minando as condições de vida dos professores e professoras da UERN, também é preciso levar em consideração as três folhas salariais da categoria que permanecem em atraso. Os docentes da instituição aguardam pelo pagamento de novembro, dezembro e do 13º referentes ao ano de 2018.

Confira as fotos da manifestação CLICANDO AQUI

0 comentários:

Postar um comentário

Translate