29 janeiro 2020

Reforma da Previdência RN – Virgínia Ferreira acena com reforma estadual menos cruel do que a federal: “Governo de Fátima não quer penalizar os que sempre pagaram pelos desmandos do Estado”

A governadora Fátima Bezerra começa o ano enfrentando pauta pouco simpática, porém necessária, que é a reforma da Previdência.
Vai conversar muito, e isso tem sido a marca de sua gestão, onde as diversas categorias de servidores públicos tiveram acesso a discussões como nas questões relativas a pagamento de folhas deixadas em atraso e a elaboração do calendário de pagamento.
“Estamos sempre levando para a mesa de negociação os assuntos cruciais para os servidores públicos”, explicou a secretária de Administração do Estado, Virgínia Ferreira, analisando o “grave desequilíbrio” no quadro funcional da administração estadual.
O número de servidores inativos e pensionistas nos quadros do Estado é superior ao número de servidores ativos, gerando o déficit previdenciário. “É menos de um servidor ativo contribuindo para o pagamento de um inativo”, contabilizou a secretária, que já prevê que o movimento sindical não estará do lado do Governo, mas que o Executivo fará de tudo para mostrar que a reforma do Estado do Rio Grande do Norte terá efeitos mais amenos do que a reforma do governo federal que já foi aprovada e já está em vigor.

“É impossível uma reforma justa para todos, e o desafio do governo está sendo em reduzir os danos. Temos ainda muitos servidores com salários atrasados e uma crise fiscal para superar. Todos que fazem o Governo da professora Fátima devem vestir a camisa da Reforma porque ela é crucial para amenizarmos a trágica herança que recebemos. Formamos um grupo e devemos estar unidos. Ninguém pode se omitir. Desconheço um governo que esteja dialogando exaustivamente como o nosso”, ressaltou Virgínia.

A proposta de reforma do Governo será apresentada nesta quinta-feira (30) ao Fórum dos Servidores antes de ser encaminhada à Assembleia Legislativa.
“Neste momento é de suma importância que todos se apropriem do conteúdo da Reforma, dos benefícios que ela trará e, sobretudo, que defendam o Governo Fátima”, disse a secretária.
“No Governo Estadual não dispomos da Seguridade Social Superavitária. A Previdência Social é um dos tripés da Seguridade Social, juntamente com a Saúde e Assistência Social, e foi uma das principais conquistas da Constituição Federal de 1988. O Sistema Estadual é completamente diferente. E todos sabem da nossa história. Dos saques da Previdência, do déficit da Previdência, mas, o Governo da Professora Fátima não quer penalizar os que sempre pagaram pelos desmandos do Estado”, defendeu Virgínia Ferreira.

Segundo a secretária, a reforma do Governo do Rio Grande do Norte não irá penalizar as mulheres e terá uma regra de transição e regras de pensão menos rígidas. “Tudo a ser apresentado, primeiramente aos servidores”, adiantou Virgínia.
“É certo que a greve foi declarada. É um direito que nós, como gestores e defensores da democracia, respeitamos. Mas estamos governo e temos que agir como governo”, explicou a secretária de Administração do Estado.

0 comentários:

Postar um comentário

Translate