16 julho 2019

DIREITOS HUMANOS: Para 31% dos brasileiros, país não deve violar lei internacional de direitos humanos

Três em cada dez brasileiros (31%) acreditam que o país nunca deve violar a lei internacional de direitos humanos, aponta uma pesquisa feita em 24 países. Segundo o levantamento, o Brasil é o quinto país que menos concorda com a questão –a média global é de 38%.

Os dados são do instituto Ipsos, que entrevistou 17 mil pessoas entre abril e maio deste ano. No Brasil, foram ouvidas cerca de mil pessoas, e a margem de erro é de 3,1 pontos percentuais.

Segundo os resultados, a Polônia é o país que mais acredita que as leis de direitos humanos não devem ser violadas, com 58% de respostas positivas para essa questão. Em seguida vêm Hungria e Espanha, ambas com 49%.

Na outra ponta está a Coreia do Sul, em que apenas 13% responderam que o país deve respeitar as leis de direitos humanos sempre. Depois vêm Malásia (22%), Japão (24%) e Estados Unidos (31%).

No Brasil, além dos 31% que acreditam que a lei internacional de direitos humanos nunca deve ser violada, 21% disseram que ela pode ser quebrada em circunstâncias extremas e 20%, que ela deve ser levada em conta tanto quanto outros fatores na hora de tomar decisões. Para 5%, ela deve ser ignorada.

Quando os entrevistados foram questionados sobre o que deve ser mais importante para os líderes brasileiros ao decidir sobre as relações com outros países, os benefícios econômicos vieram em primeiro lugar, citados por 39%.

Em seguida aparecem benefícios de segurança (32%) e impacto ambiental no país (25%). Os direitos humanos foram mencionados por 22%, empatados com “se o país é ou não uma democracia” e “se o país obedece ou não as leis internacionais”.

Rússia (65%), Malásia (63%) e Coreia do Sul (61%) são os países que mais valorizam os benefícios econômicos.

Folhapress

0 comentários:

Postar um comentário

Translate