24 outubro 2017

Nova planilha da JBS lista 64 políticos e cita Temer



Por Época

Uma planilha apreendida na sede da empresa JBS, em São Paulo, registra a existência de uma conta-corrente aberta especialmente para abastecer políticos e partidos. Um total de 64 nomes aparece nas movimentações financeiras detalhadas no documento, entre elas o nome Temer, supostamente referindo-se ao presidente Michel Temer (PMDB).

Chama a atenção o nível de detalhamento da planilha, encontrada pela Polícia Federal dentro de uma pasta no gabinete de Wesley Batista – um dos proprietários da empresa – no dia 11 de maio de 2017. A apreensão foi feita no âmbito da Operação Maquinários, coordenada pela Superintendência Regional da Polícia Federal de Mato Grosso do Sul. ÉPOCA teve acesso à íntegra do documento sigiloso.

Um dos 64 nomes da planilha está indicado como “Temer”, supostamente o presidente Michel Temer (PMDB), que no dia 2 de setembro de 2014 recebeu o “crédito” de R$ 1 milhão, segundo as anotações. Parte dessas transações – descritas ao longo de nove meses – já tinha vindo à tona, por meio de delações premiadas de executivos da JBS, e outra parte permanecia oculta até então.

A data associada a Temer bate com as informações prestadas, por meio de delação premiada, pelo lobista Ricardo Saud. É o mesmo dia que o doleiro disse ter determinado o pagamento, desse mesmo R$ 1 milhão, ao então vice-presidente.

As planilhas revelam o entra e sai de dinheiro na conta-corrente e trazem também detalhes como datas de pagamento, nome do recebedor, valores das transações e até o saldo da conta-corrente no dia em que o dinheiro foi debitado. A planilha registra que Temer, por exemplo, teria recebido o recurso ilícito quando a conta estava recheada com R$ 1.176 milhão – sendo que, desse valor, R$ 405 mil entraram na conta da JBS naquele mesmo dia. Com a retirada de R$ 1 milhão, a conta ficou ainda com um saldo R$ 176 mil, sendo abastecida, três dias depois, com mais R$ 519 mil.

As anotações da JBS, feitas entre 25 de agosto de 2014 (data em que a conta foi aberta, com saldo inicial de R$ 320 mil) e 21 de janeiro de 2015, sugerem que a empresa depositou mais de R$ 56 milhões na conta.

As planilhas detalham até mesmo o pagamento de férias para intermediários do dinheiro, entre eles uma pessoa identificada como Florisvaldo, que recebeu R$ 25.726 em 26 de novembro de 2014. Florisvaldo Oliveira era o funcionário da companhia chamado de “homem da mala” pelo executivo Ricardo Saud. Foi ele quem entregou R$ 1 milhão em espécie que teria o presidente Michel Temer como destinatário.

Florisvaldo contou que o dinheiro estava em uma caixa e foi entregue para João Baptista Lima Filho, um coronel aposentado da Polícia Militar paulista que é amigo de Temer.

O local da entrega, a Argeplan Arquitetura e Engenharia, na Vila Madalena, em São Paulo, foi alvo de busca e apreensão pela PF.

0 comentários:

Postar um comentário

Translate