27 novembro 2016

Coluna do Cláudio Humberto no Diário do Poder: Tudo sobre os bastidores da política brasileira

 
Ex-ministro pode ter gravado outras conversas
O ex-ministro da Cultura Marcelo Calero pode ter gravado conversas com outros ministros e assessores, segundo informações levadas ao governo por colegas. Além de cair na Lei de Segurança Nacional, por supostamente haver gravado de maneira clandestina sua conversa com o presidente da República, ele burlou a regra que há anos proíbe a entrada de equipamentos eletrônicos no gabinete presidencial.

Qualidade ruim
Calero levou gravador para conversas com Temer, Geddel e Padilha, mas a gravação é ruim e há dificuldade de identificar interlocutores.

Vaidade ferida
Diplomatas que conhecem a alma de Marcelo Calero dizem que ele espalha brasas por ter ficado inconformado com a perda do cargo.

Lei do Planalto
Quem vai a audiência com o presidente é solicitado por seguranças do Exército a deixar celular, smartphone etc na ante-sala do gabinete.

Celular engavetado
Celular ou gravador recolhido é guardado na gaveta de uma pequena escrivaninha do segurança, que fica a 2 metros da porta do gabinete.

Prisão domiciliar de Marin é no prédio de Trump
O ex-presidente da CBF José Maria Marin cumpre prisão domiciliar, com tornozeleira, no seu belo apartamento da Trump Tower (TT), na Quinta Avenida de Nova York, exatamente onde mora o presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump. Poucos andares separam os apartamentos de Marin e Trump, mas não há registro de contato entre os dois. Exceto, talvez, em reuniões de condomínio, naturalmente.

Em cana
Ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol, Marin está preso em seu apartamento há um ano, desde novembro de 2015.

Na mira do FBI
Marin foi extraditado da Suíça para Nova York e é acusado de receber propina em negociações de marketing da Fifa, investigada pelo FBI.

Em boa companhia
Além de Marin, já moraram na TT Felix Slater, preso por esfaquear um homem no rosto, e Joe Weichselbaum, preso por tráfico de cocaína.

Resistência na bancada
Anda intensa a discussão sobre o próximo líder da bancada do PMDB no Senado, em 2017. A maioria dos senadores não quer Renan Calheiros como líder. Mas ele está de olho na vaga.

Pernas curtas
Após a divulgação de vídeo de Lula admitindo ser seu o tríplex, organizadores do evento onde ele cometeu a “gafe” fizeram edição do discurso do ex-presidente, mas o trecho cortado está no YouTube.

Que crise?
O Ministério dos Transportes, ao contrário dos estados e do próprio governo federal, está de cofres cheios. Com mais de um mês para o fim de 2016, as receitas já superaram em 23% a previsão para o ano.

Coisa de país rico
No EUA, onde greves no funcionalismo são proibidas, há 2,6 milhões de servidores no Executivo. No Brasil, onde o rombo de contas públicas é de R$ 170 bilhões, são mais de 2 milhões só no governo federal.

Lexotan na veia
O deputado Arnaldo Jordy (PPS-PA) afirma que os políticos estão com insônia após delação da Odebrecht. “Uma parcela só encosta a cabeça no travesseiro à base de Lexotan”, disse ele ao site Diário do Poder.

Sílvio Tosta
O deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA) chamou o ex-vice-líder do governo Dilma Sílvio Costa (PTdoB-PE) de Sílvio Tosta, que não gostou da piada. ‘Poderia trocar por outra consoante’ ironizou o baiano.

Amigo do rei
Candidato a vice da Câmara, na eleição de fevereiro, o deputado José Priante (PMDB-PA) acredita que “a amizade com o presidente Michel Temer fortalece” sua candidatura. Vai ter que combinar com os russos.

Insistência cega
A defesa de Lula já fez oficialmente duas reclamações junto ao Supremo Tribunal Federal contra Sérgio Moro, o juiz federal de primeira instância responsável pela Lava Jato. Todas negadas pelo STF.

Pensando bem...
...com o volume de ex-ministros, aliados e amigos presos até a expressão “cerca Lourenço” mudou. Virou “cerca Lula”.

0 comentários:

Postar um comentário

Translate