29 novembro 2015

Ministro do STF mostrou fatos “chocantes” aos colegas e delação de Cerveró é ainda preocupante

Mônica Bergamo
O ministro Teori Zavascki, do STF (Supremo Tribunal Federal), reuniu os colegas da 2ª turma da corte em seu gabinete, na terça, 24, para uma reunião de emergência, em caráter informal.
Queria avisá-los com antecedência que autorizaria prender o senador Delcídio do Amaral.
Tentava obter apoio antecipado para medida considerada excepcional e extrema.
MÃO ÚNICA – Ministros da turma de Teori, formada por Celso de Mello, Gilmar Mendes, Dias Toffoli e Cármen Lúcia, chegaram à reunião resistindo à medida.
Os fatos mostrados por Zavascki, no entanto, eram “tão chocantes”, nas palavras de um dos magistrados, que todos, por unanimidade, concordaram que a prisão era inevitável.
PIOR QUE TÁ… – Zavascki, que, antes mesmo de tomar conhecimento dos fatos envolvendo Delcídio do Amaral, já proclamava que “o pior estaria por ser revelado” , segue adotando o mesmo tom grave em relação à Lava Jato.
…PODE FICAR – Os avisos alarmistas incluem a delação premiada de Nestor Cerveró, que Zavascki homologou há alguns dias.
O ministro, que define o ex-diretor da Petrobras como um homem que “sabe muito”, é um dos poucos no país que têm pleno conhecimento do conteúdo, aparentemente explosivo, das revelações do ex-executivo.

0 comentários:

Postar um comentário

Translate