30 outubro 2013

Tem gente que bota para baixo um trabalho sério, diz governadora do RN

A governadora Rosalba Ciarlini fez um desabafo, ao criticar os que, segundo ela, torcem contra o Rio Grande do Norte e apostam no descrédito do Estado. Durante pronunciamento na apresentação do programa RN Sustentável, Rosalba Ciarlini lamentou que precise enfrentar resistências na execução de projetos de interesse público. A governadora, ao ser questionada a quem direcionou essas acusações, disse que se depara frequentemente “com gente que tenta botar para baixo um trabalho honesto e sério”. 
Rosalba Ciarlini: Não entendem como é que a gente está fazendo e as dificuldades que estamos enfrentandoRosalba Ciarlini: Não entendem como é que a gente está fazendo e as dificuldades que estamos enfrentando

Rosalba Ciarlini se mostrou emocionada na entrevista coletiva. Com voz embargada, lamentou que tanto esforço para melhorar as condições de desenvolvimento do Estado não seja reconhecido. Ela pediu também mais divulgação para o que o RN tem de positivo. “Só saem notícias negativas. Quantas notícias saíram daqui para denegrir a Copa? Quantas positivas saíram depois que [a Arena] está para concluir? Se a gente não amar e não defender o que é nosso quem é que vai fazer, de fora vem fazer? Vem não”, destacou.

Antes, a governadora tinha declarado, ao discursar no auditório da Escola de Governo, que algumas obras em andamento, como a construção do Aeroporto de São Gonçalo do Amarante, só foram assegurados, porque houve a mobilização que garantiu Natal como uma das sedes da Copa de 2014. Veja os principais trechos da entrevista concedida pela governadora, momentos após o lançamento do RN Sustentável:

A senhora fez um desabafo no final do evento do RN Sustentável. Para quem foi: para a oposição, para os aliados que deixaram o Governo recentemente...

É difícil a gente querer fazer alguma coisa séria e honesta neste Estado e só ter gente para botar para baixo. Não entendem como é que a gente está fazendo e as dificuldades que estamos enfrentando. [É como se dissessem:] “Nós vamos criar mais dificuldades”. Eu sinto isso no dia a dia. As notícias positivas neste Estado não saem, só saem as negativas. Quantas notícias saíram daqui para denegrir a Copa? Quantas positivas saíram depois que [a Arena] está para concluir? Se a gente não amar e não defender o que é nosso, quem é que vai? De fora, quem vai? Vem não...

E a senhora vê esse Programa RN Sustentável como um marco que vai ajudar o Governo do Estado a sair da crise?

Eu acho que é um ponto importante. Claro que não é uma varinha de condão que no outro dia vai estar tudo acontecendo. Não é assim. Esse projeto vai realmente dar condições de sustentabilidade, com muitos critérios, seriedade, vendo o investimento e o resultado. Não vai ser chegar procurar um bocado de associações e entregar um bocado de equipamentos sem que aquilo seja acompanhado para que realmente dê um resultado. Não é assim. Vai ser trabalhado com sustentabilidade.

Qual a previsão de resultados?

É um projeto de curto, médio e longo prazos. Muita coisa vai poder ser feita na fase inicial, já outros vão demorar porque vão depender da capacitação. Mas o importante é que vamos trazer esse legado para o Rio Grande do Norte.

Prefeitos vão fechar as prefeituras por um dia para chamar a atenção para o problema dos municípios. Como a senhora
vê isso?

É um desespero. Eu escuto os prefeitos e as dificuldades que eu estou passando pelas quedas de FPE [Fundo de Participação dos Estados] são as mesmas que eles passam com a queda do FPM [Fundo de Participação dos Municípios]. Quando a gente chega em um mês como esse e vem a informação que vai cair mais de R$ 50 milhões é difícil. Eu tenho andado pelo interior e ouço que muitas Prefeituras estão sem conseguir pagar a folha, com três, quatro meses atrasando. Os prefeitos têm dito que o que tem salvado os municípios é o ICMS, que mesmo com a seca a gente tem conseguido segurar embora não tenha sido suficiente para superar as quedas com as outras receitas. Mas estamos lutando para superar, temos que procurar alguma forma, só não podemos ficar parados.

A senhora concorda com os prefeitos?

Não, não estou falando. Eu estou dizendo de uma maneira. Vocês, jornalistas, têm uma responsabilidade grande com o Estado. Mas só acho que acima de outro interesse tem que ter o Estado. E ninguém deve denegrir ações seja de quem for.

Por isso a senhora elogiou  a presidenta Dilma Rousseff?

Eu sou justa. Ela não criou dificuldades para o Estado.
 
Fonte: Tribuna do Norte

Translate