22 abril 2013

Júri de Bola começa nesta segunda-feira (22)



Bruno, Macarrão e Marcos Aparecido dos Santos, o Bola (Foto: Alex Araújo/G1 MG)Bruno, Macarrão e Marcos Aparecido dos Santos,
o Bola, durante audiência do caso
(Foto: Alex Araújo/G1 MG)
 
O ex-policial civil Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, vai ser julgado a partir desta segunda-feira (22) pela morte e ocultação de cadáver de Eliza Samudio, ex-amante do goleiro Bruno Fernandes – já condenado pelos crimes. Uma certidão de óbito, expedida por determinação da Justiça, atesta que a jovem foi morta aos 25 anos em 2010, mas o corpo nunca foi encontrado. A defesa do réu afirma inocência. Três pessoas, incluindo o goleiro Bruno, já foram condenados no caso.
(A partir de segunda, dia 22, acompanhe no G1 a cobertura completa do julgamento do caso Eliza Samudio, com equipe de jornalistas trazendo as últimas informações, em tempo real, de dentro e de fora do Fórum de Contagem, em Minas Gerais. Conheça os réus, entenda o júri popular, relembre os momentos marcantes e acesse reportagens, fotos e infográfico sobre o crime envolvendo o goleiro Bruno.)
Sete jurados decidirão o destino do réu no Fórum de Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (MG), no júri presidido pela juíza Marixa Fabiane Lopes Rodrigues. A previsão é que o julgamento dure três dias, segundo o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). Bola está preso desde 2010, acusado de ser o executor da jovem. Uma propriedade dele, em Vespasiano (MG), foi um dos locais vaculhados pela policia.
Cronologia caso Eliza Samudio (Foto: Arte/ G1)
Bola seria julgado em novembro do ano passado, porém, no primeiro dia do júri, seus advogados abandonaram o plenário e ele se negou a ser representado por um defensor público. Depois disso, teve seu julgamento desmembrado.

O ex-policial ainda responde pelo desaparecimento, tortura e morte de duas pessoas, em Esmeraldas (MG), em 2008, e pelo assassinato de um homem em 2009, em Belo Horizonte. Em novembro de 2012, ele foi absolvido, da acusação de ter assassinado um carcereiro no ano 2000, em Contagem.
Segundo o Ministério Público, nove acusados, sob ordens de Bruno, participaram do sequestro e desaparecimento de Eliza Samudio, entre eles o amigo Macarrão e uma ex-namorada do goleiro, ambos condenados em novembro. A acusação contra uma pessoa foi arquivada. Para a Promotoria, o jogador, que atuava no Flamengo, arquitetou o crime para não ter de reconhecer o filho que teve com Eliza nem pagar pensão alimentícia. Conheça todos os réus.

No dia 8 de março, o goleiro Bruno Fernandes foi condenado a 22 anos e 3 meses de prisão em regime inicialmente fechado por homicídio triplamente qualificado (por motivo torpe, asfixia e uso de recurso que dificultou a defesa da vítima), sequestro e cárcere privado e ocultação de cadáver. A pena foi aumentada porque o goleiro foi considerado o mandante do crime, e reduzida pela confissão do jogador.
Conforme a denúncia, Eliza foi levada à força do Rio de Janeiro para um sítio do goleiro, em Esmeraldas (MG), onde foi mantida em cárcere privado. Depois, foi entregue para o ex-policial Bola, que a asfixiou e desapareceu com o corpo.
O bebê Bruninho, filho de Eliza e de Bruno, que foi achado com desconhecidos em Ribeirão das Neves (MG), hoje vive com a avó em Mato Grosso do Sul. Um exame de DNA comprovou a paternidade.
Além do ex-policial, dois réus ainda vão ser julgados separadamente. No dia 15 de maio, vão a júri Elenílson Vitor da Silva e Wemerson Marques de Souza. Sérgio Rosa Sales, primo de Bruno, foi morto a tiros em agosto. Dayanne Rodrigues, ex-mulher do goleiro, foi absolvida durante o julgamento em março.
Investigações
A polícia encerrou o inquérito com base em laudos que atestam a presença de sangue de Eliza em um carro de Bruno, nos depoimentos de dois primos que incriminam o goleiro, em sinais de antena de celular e multas de trânsito que mostram a viagem do grupo do Rio de Janeiro até Minas Gerais e em conversas de Eliza com amigos pela internet, nas quais relata o medo que sentia.
Eliza também havia prestado queixa contra o atleta quando ainda estava grávida, dizendo que ele a forçou, armado, a tomar abortivos. Ela ainda deixou um vídeo dizendo que poderia aparecer morta se não tivesse proteção.
Apesar de os primos de Bruno terem alterado as versões, os depoimentos devem ser usados pela acusação no júri. Um deles, Jorge Luiz Rosa, adolescente à época, já cumpriu medida socioeducativa por atos análogos a homicídio e sequestro. Ele foi o primeiro a delatar o goleiro, confessando ter ajudado Bruno a levar Eliza ao sítio. O jovem contou que a vítima foi entregue a Bola e que ele presenciou a morte. Dias depois, negou tudo.

 
 
 
 

O jovem, hoje com 19 anos, voltou a falar em entrevista ao 'Fantástico' neste ano. Ele disse que não tinha como Bruno não saber que Eliza seria morta.
O outro primo, Sérgio Rosa Sales, ajudou na reconstituição do crime, mas foi morto com seis tiros, em agosto deste ano. Ele também chegou a desmentir as acusações contra o goleiro, mas, em uma carta enviada por ele aos pais, incluída no inquérito, relatou ter sofrido ameaça de outros advogados para alterar o depoimento. À época, o advogado de Bruno, Francisco Simim, negou qualquer pressão.

Fonte: G1/MG

Translate